Publicado em

Tomaz de Figueiredo

Escritor português nascido a 6 de julho de 1902, em Braga, e falecido a 29 de abril de 1970, em Lisboa. Licenciado em Direito pela Universidade de Lisboa, exerceu a profissão de notário. A partir de 1960, dedicou-se quase exclusivamente à criação literária, tendo ainda colaborado em periódicos como Tempo Presente, Panorama, Diário Popular. Considerado um dos melhores romancistas da sua geração, em Carta que ao Júri do Prémio Eça de Queirós Escreve Tomás de Figueiredo (Lisboa, 1950), o ficcionista descreve, a propósito da atribuição deste prémio ao romance Toca do Lobo, do seguinte modo a técnica narrativa continuada em publicações posteriores: trata-se de um romance “aparentemente estático e sem enredo […] – um romance no qual se diria nada acontecer -, um romance, até, de um tempo já ido (arqueológico desfile de fantasmas…), quando tudo aí bate o pé pelo social, pela famosa batalha do pão e nunca pela da alma […], -, um romance de pessoas e não da multidão, das massas […] de um escritor […] (que) não pertence nem poderá pertencer a qualquer escola […] frecheiro livre, insolidário com boticas […] que nem é antigo nem moderno”.