Veneza, a Cidade dos Anjos Caídos

John Berendt

5,00 

Título: Veneza, a Cidade dos Anjos Caídos
Autor: John Berendt
Edição: Planeta Editora
Ano: 2009
Páginas: 391
Encadernação: Mole
Capa: Pedro Pires
Tradução: Susana Silva
Título Original: The City of Falling Angels
Depósito Legal: 288762/09
ISBN: 978-92-731-247-7

 

SOBRE
Veneza, 29 de janeiro de 1996. Um incêndio destrói um dos principais símbolos da cidade, o teatro lírico La Fenice, onde cinco óperas de Verdi estrearam. O que já seria uma catástrofe para os venezianos torna-se ainda pior com a revelação de que o incêndio pode ter sido criminoso. Chegado à cidade três dias após os acontecimentos, o jornalista John Berendt transforma-se numa espécie de detective, descobrindo que por trás das histórias de alguns dos excêntricos habitantes de Veneza pode estar a resposta para o mistério sobre o fogo. A exemplo do que fez em seu livro anterior, o best-seller Meia-noite no Jardim do Bem e do Mal, que vendeu mais de 2,5 milhões de exemplares e figurou durante quatro anos na lista dos mais vendidos do New York Times, em Veneza. A Cidade dos Anjos Caídos Berendt honra a tradição do new journalism. Tudo o que está descrito no livro é real: nomes, pessoas, lugares e factos. Como o próprio autor explica: “É um livro de não-ficção, mas escrito do ponto de vista de um romancista, usando técnicas literárias que um romancista utilizaria. Você não diz, como um jornalista diria, simplesmente: ‘O homem disse isso e isso’. Você descreve o tipo de olhar, a reacção das pessoas no quarto. Então, lê-se o livro como se fosse um romance, mas é tudo verdade”. No decorrer de sua investigação, Berendt encontra um variado elenco de personagens: um pintor surrealista veneziano, conhecido localmente como um grande brincalhão e agitador político; um ilustre poeta cujo “suicídio” traumático incita os amigos a perseguirem, por conta própria, um suspeito; um grupo de norte-americanos da alta sociedade, dedicados a angariar fundos para preservar a arte e arquitectura de Veneza, enquanto brigam entre si; um mestre soprador de vidro, cuja linhagem remonta a 21 gerações e cujos filhos travam uma guerra dinástica; e muitos outros – caçadores de pombos, bodes expiatórios, chantagistas, sonâmbulos.


OBRAS DO AUTOR


RELACIONADOS


Voltar