Um Amor Feliz

«Pergunto a mim próprio se fará ao menos uma pequena paragem, lá em baixo, na última curva, junto dos primeiros plátanos, e onde por instantes, presumo eu, nem do interior da casa nem das imediações quem quer que seja a poderá ver.»

Um Amor Feliz de David Mourão-Ferreira

…a maravilha que deve ser escrever um livro: a invenção dentro da memória; a memória dentro da invenção; e toda essa cavalgada de uma grande fuga, todo esse prodígio de umas poligâmicas núpcias, secretas e arrebatadas, com a feminina multidão das palavras: as que se entregam, as que se esquivam; as que é preciso perseguir, seduzir, ludibriar; as que por fim se deixam capturar, palpar, despir, penetrar e sorver, assim proporcionando, antes de se evaporarem, as hoas supremas de um amor feliz. Não há matéria mais carnalmente incorpórea; nem mais disposta a por amor ser fecundada

6,00 

informação do livro

Amor Feliz de David Mourão-Ferreira. Editorial Presença. Lisboa, 1988, 299 págs. Mole. 2ª Edição

Alfarrabista

[Sem apontamentos]

…a maravilha que deve ser escrever um livro: a invenção dentro da memória; a memória dentro da invenção; e toda essa cavalgada de uma grande fuga, todo esse prodígio de umas poligâmicas núpcias, secretas e arrebatadas, com a feminina multidão das palavras: as que se entregam, as que se esquivam; as que é preciso perseguir, seduzir, ludibriar; as que por fim se deixam capturar, palpar, despir, penetrar e sorver, assim proporcionando, antes de se evaporarem, as hoas supremas de um amor feliz. Não há matéria mais carnalmente incorpórea; nem mais disposta a por amor ser fecundada

Peso 460 g

sugestões do alfarrabista

0
    0
    Carrinho
    Carrinho VazioRegressar à Loja