Três Seios de Novela

Três Seios de Novela de Manuel da Silva Ramos

“(…) Os Três Seios de Novelia são, pela nitidez do sabor local e epocal, o romance de um jovem à descoberta do seu mundo lisboeta de 1968 — numa espécie de contrapartida a A Engomadeira de Almada Negreiros, meio século depois. Mas, tal como com Almada, a arrumação cronológica, topográfica, e imediatamente verosímil do ambiente surge desfeita sob o fogo de uma fantasia sem tréguas, que, ao nível da narrativa como ao da simples cadeia verbal, nos empurra constantemente para a aventura no insólito, no contra-senso, no avesso ou na extremidade hiperbólica de tudo o que é vulgar (…)”. — retirado do texto da badana.

10,00 

informação do livro

Três Seios de Novela de Manuel da Silva Ramos. Editorial Inova. Porto, 1969, 114 págs. Brochado.

Alfarrabista

 

1ª Edição. Assinatura de posse.

Fez estudos secundários na Covilhã e frequentou a faculdade de Direito em Lisboa que abandonou para se exilar em França (1970). Viveu em Toulouse entre 1970 e 1997. Regressado a Portugal, envolveu-se em grande actividade literária, vindo a publicar com alguma regularidade. Associando-se ao jornalista João Alfacinha da Silva (Alface), escreveu três romances de natureza experimentalista: Os Lusíadas (1977), As Noites Brancas do Papa Negro (1983) e Beijinhos (1996). Em 1968, com 21 anos, ganhou o Prémio de Novelística Almeida Garrett, instituído pela Editorial Inova e pela Portugália Editora, com Os Três Seios de Novélia, o seu livro de estreia. Usou o psedónimo Zé Dalmeida em alguns dos seus livros.


“(…) Os Três Seios de Novelia são, pela nitidez do sabor local e epocal, o romance de um jovem à descoberta do seu mundo lisboeta de 1968 — numa espécie de contrapartida a A Engomadeira de Almada Negreiros, meio século depois. Mas, tal como com Almada, a arrumação cronológica, topográfica, e imediatamente verosímil do ambiente surge desfeita sob o fogo de uma fantasia sem tréguas, que, ao nível da narrativa como ao da simples cadeia verbal, nos empurra constantemente para a aventura no insólito, no contra-senso, no avesso ou na extremidade hiperbólica de tudo o que é vulgar (…)”. — retirado do texto da badana.

Peso 190 g

sugestões do alfarrabista

0
    0
    Carrinho
    Carrinho VazioRegressar à Loja