Relação da Grande Monarquia da China

“A Relação da Grande Monarquia da China, de Álvaro Semedo (1586-1658), é justamente considerada uma das obras magnas do amanhecer da sinologia europeia visto que se inscreve num quadro mental de grande abertura que se recusa a encarar o conhecimento pluridimensional da civilização chinesa mediante os prismas europeus em voga.
[…]
A extraordinária difusão internacional desta obra deve-se essencialmente à seriedade e ao rigor com que o Celeste Império é descrito e analisado. E na história da sinologia é feita essa justiça a Álvaro Semedo que, embora tivesse estudado em Évora e em Goa, se pode classificar como um espírito estrangeirado.
[…]
A Relação da Grande Monarquia da China divide-se em duas partes. A primeira tem por título, Do Estado Temporal da China que é um impressivo fresco da civilização chinesa, atendo-se particularmente na cultura, na língua, na educação, nas ciências e nas artes liberais; na segunda, Da Cristandade da China, é um verdadeiro repositório da história atribulada do cristianismo na China. Ao longo da obra podem surpreender-se algumas informações preciosas para a história de Macau assim como alguns traços psico-sociológicos do povo chinês. Há observações de uma espantosa argúcia por parte de quem procura compreender as diferenças não deixando jamais vir ao de cima qualquer dogmatismo eurocêntrico.
A descrição pormenorizada daquilo a que hoje apelidaríamos de sistema educativo chinês é notável. É um documento único e pioneiro na história da educação setecentista e no panorama da história das ideias educativas portuguesas. É uma verdadeira viagem ao interior de um império examinocrático, como muito bem lhe chamou Ernest Renan.” in Introdução à presente edição

20,00 

20,00 

informação do livro

Relação da Grande Monarquia da China de Álvaro Semedo. Fundação Macau. Macau, 1994, 416 págs. Mole.

Alfarrabista


Sem apontamentos.

“A Relação da Grande Monarquia da China, de Álvaro Semedo (1586-1658), é justamente considerada uma das obras magnas do amanhecer da sinologia europeia visto que se inscreve num quadro mental de grande abertura que se recusa a encarar o conhecimento pluridimensional da civilização chinesa mediante os prismas europeus em voga.
[…]
A extraordinária difusão internacional desta obra deve-se essencialmente à seriedade e ao rigor com que o Celeste Império é descrito e analisado. E na história da sinologia é feita essa justiça a Álvaro Semedo que, embora tivesse estudado em Évora e em Goa, se pode classificar como um espírito estrangeirado.
[…]
A Relação da Grande Monarquia da China divide-se em duas partes. A primeira tem por título, Do Estado Temporal da China que é um impressivo fresco da civilização chinesa, atendo-se particularmente na cultura, na língua, na educação, nas ciências e nas artes liberais; na segunda, Da Cristandade da China, é um verdadeiro repositório da história atribulada do cristianismo na China. Ao longo da obra podem surpreender-se algumas informações preciosas para a história de Macau assim como alguns traços psico-sociológicos do povo chinês. Há observações de uma espantosa argúcia por parte de quem procura compreender as diferenças não deixando jamais vir ao de cima qualquer dogmatismo eurocêntrico.
A descrição pormenorizada daquilo a que hoje apelidaríamos de sistema educativo chinês é notável. É um documento único e pioneiro na história da educação setecentista e no panorama da história das ideias educativas portuguesas. É uma verdadeira viagem ao interior de um império examinocrático, como muito bem lhe chamou Ernest Renan.” in Introdução à presente edição

Peso 765 g

sugestões do alfarrabista

0
    0
    Carrinho
    Carrinho VazioRegressar à Loja