Recepção Literária de H. Heine no Romantismo Português

Em Portugal, na segunda metade do século XIX, H. Heine foi – depois de Goethe – o autor alemão mais lido, mais apreciado e mais traduzido. Paralelamente a toda uma série de tradutores que, não transgredindo o horizonte literário próprio do Segundo Romantismo, se limitam a receber a lírica heiniana como poesia sentimental amorosa, nota-se já em meados do século nos ensaios críticos de António Pedro Lopes de Mendonça (não nas imitações» que fez do Intermezzo e de poemas da colectânea Die Nordsee) a captação de Heine na sua verdadeira dimensão de romântico céptico ou tardio, de escritor humorista, cuja acentuada tendência para dissonâncias, contrastes e digressões variadas reflecte a crise profunda atravessada pela sociedade do tempo e anuncia a poesia moderna. É este aspecto central da obra de H. Heine – o humorismo – que trará impulsos fecundos para a evolução da literatura portuguesa. A partir da recepção crítico-valorativa de A. P. Lopes de Mendonça, o humorismo heiniano, associado frequentemente com a obra e estilo de três célebres poetas românticos Byron, Musset, Espronceda, é referido ou imitado por alguns escritores ultra-românticos (Bulhão Pato, Pinheiro Chagas, Júlio César Machado) em produções literárias pertencentes a géneros híbridos muito ao gosto da época -o poema-romance, a crónica-folhetim e a narrativa de viagens. Seguidamente vem a reflectir-se nos poemas e nos escritos em prosa que Antero de Quental, António de Azevedo Castelo Branco e Germano Vieira de Meireles publicam em O Século XIX e-convergindo com leituras de Poe, Baudelaire e Flaubert – acabará por conduzir ao satanismo eciano dos folhetins da Gazeta de Portugal e à criação colectiva do poeta satânico Carlos Fradique Mendes.
Quer em observações respeitantes às realizações e simpatias estéticas de Eça de Queirós no final da década de 60, quer em apreciações diversas sobre a cena literária nacional, vários autores pertencentes à chamada geração de 70 indicam Heine como um dos modelos da moderna poesia satânica, poesia essa que, ao lado da lírica social-humanitária de sinal huguesco, se manterá actuante na nossa literatura durante o último quartel do século.

10,00 

10,00 

informação do livro

Recepção Literária de H. Heine no Romantismo Português de Maria Manuela Gouveia Delille. INCM. 1984, 777 págs. Brochado.

Alfarrabista

 

Sem apontamentos

Em Portugal, na segunda metade do século XIX, H. Heine foi – depois de Goethe – o autor alemão mais lido, mais apreciado e mais traduzido. Paralelamente a toda uma série de tradutores que, não transgredindo o horizonte literário próprio do Segundo Romantismo, se limitam a receber a lírica heiniana como poesia sentimental amorosa, nota-se já em meados do século nos ensaios críticos de António Pedro Lopes de Mendonça (não nas imitações» que fez do Intermezzo e de poemas da colectânea Die Nordsee) a captação de Heine na sua verdadeira dimensão de romântico céptico ou tardio, de escritor humorista, cuja acentuada tendência para dissonâncias, contrastes e digressões variadas reflecte a crise profunda atravessada pela sociedade do tempo e anuncia a poesia moderna. É este aspecto central da obra de H. Heine – o humorismo – que trará impulsos fecundos para a evolução da literatura portuguesa. A partir da recepção crítico-valorativa de A. P. Lopes de Mendonça, o humorismo heiniano, associado frequentemente com a obra e estilo de três célebres poetas românticos Byron, Musset, Espronceda, é referido ou imitado por alguns escritores ultra-românticos (Bulhão Pato, Pinheiro Chagas, Júlio César Machado) em produções literárias pertencentes a géneros híbridos muito ao gosto da época -o poema-romance, a crónica-folhetim e a narrativa de viagens. Seguidamente vem a reflectir-se nos poemas e nos escritos em prosa que Antero de Quental, António de Azevedo Castelo Branco e Germano Vieira de Meireles publicam em O Século XIX e-convergindo com leituras de Poe, Baudelaire e Flaubert – acabará por conduzir ao satanismo eciano dos folhetins da Gazeta de Portugal e à criação colectiva do poeta satânico Carlos Fradique Mendes.
Quer em observações respeitantes às realizações e simpatias estéticas de Eça de Queirós no final da década de 60, quer em apreciações diversas sobre a cena literária nacional, vários autores pertencentes à chamada geração de 70 indicam Heine como um dos modelos da moderna poesia satânica, poesia essa que, ao lado da lírica social-humanitária de sinal huguesco, se manterá actuante na nossa literatura durante o último quartel do século.

Peso 1065 g

sugestões do alfarrabista

0
    0
    Carrinho
    Carrinho VazioRegressar à Loja
    × How can I help you?