Os Simples

Livro de poesias de Guerra Junqueiro que assinala uma inversão na trajetória poética do autor, até então orientada para o lirismo revolucionário e anticlerical. Acertadamente, Moniz Barreto, crítico de finais do século XIX, considera Os Simples “uma idealização da vida rural feita com intuitos de moralista, que condena a complicação e dureza da vida civilizada, e que vê na regressão a um cristianismo ingénuo e popular a cura das feridas da alma”. O próprio autor, numa nota posfacial ao volume, atribui a gestação da obra a “um período agudo” da sua existência, durante o qual, depois de ter antevisto a morte, meditou e conseguiu alcançar “uma ideia metódica e definitiva do universo”.
A obra está repleta de quadros rústicos e de tipos populares “de boas e santas criaturas, que atravessam um mundo de misérias e de injustiças (…) sem um olhar de maldição para a natureza, sem uma palavra de queixume para o destino” (“A Moleirinha”, “O Pastor”, “O Cavador”, “Os Pobrezinhos”…), a que se conformam os ritmos e rimas populares usados pelo autor.

3,50 

3,50 

informação do livro

Os Simples de Guerra Junqueiro. Mediasata. Barcelona, 2004, 96 págs. Encadernação Editorial

Livro de poesias de Guerra Junqueiro que assinala uma inversão na trajetória poética do autor, até então orientada para o lirismo revolucionário e anticlerical. Acertadamente, Moniz Barreto, crítico de finais do século XIX, considera Os Simples “uma idealização da vida rural feita com intuitos de moralista, que condena a complicação e dureza da vida civilizada, e que vê na regressão a um cristianismo ingénuo e popular a cura das feridas da alma”. O próprio autor, numa nota posfacial ao volume, atribui a gestação da obra a “um período agudo” da sua existência, durante o qual, depois de ter antevisto a morte, meditou e conseguiu alcançar “uma ideia metódica e definitiva do universo”.
A obra está repleta de quadros rústicos e de tipos populares “de boas e santas criaturas, que atravessam um mundo de misérias e de injustiças (…) sem um olhar de maldição para a natureza, sem uma palavra de queixume para o destino” (“A Moleirinha”, “O Pastor”, “O Cavador”, “Os Pobrezinhos”…), a que se conformam os ritmos e rimas populares usados pelo autor.

Peso 185 g

sugestões do alfarrabista

0
    0
    Carrinho
    Carrinho VazioRegressar à Loja