O Harém e o Ocidente

Enquanto viajava pela Europa e Estados Unidos, promovendo o seu livro Sonhos Proibidos: Memórias de um Harém de Fez (já publicado pela ASA nesta mesma colecção), Fatema Mernissi ficou perplexa ao constatar que, para a maioria dos homens ocidentais, a simples menção da palavra “harém” provoca as mais voluptuosas fantasias sexuais, nas quais o homem consegue dominar mulheres vulneráveis cujo único objectivo é satisfazer-lhe os desejos. A realidade das culturas islâmicas é diametralmente diferente: o harém é visto como palco de arrojadas disputas pelo poder sexual. A mítica Xerazade, que contou histórias dignas de preencher Mil e Uma Noites, é disso um bom exemplo: através de uma sedução mais cerebral do que física, Xerazade usou a sua retórica apaixonada para maravilhar e dominar um sultão. As suas histórias eram a tal ponto subversivas que foram publicadas em árabe apenas um século depois da sua publicação em francês, e continuam até hoje a ser um dos alvos da censura muçulmana. “A Xerazade oriental é puramente cerebral. Nos contos originais, são raras as referências ao corpo de Xerazade, ao passo que a sua sabedoria é relatada até à exaustão”. A investigação de Mernissi denuncia uma sucessão de equívocos e mal-entendidos, e a misogenia, tanto Ocidental como Oriental, que limita a imaginação e dificulta a comunicação entre culturas. Ao convidar-nos a reconsiderar os aspectos mais enraizados na nossa cultura, O Harém e o Ocidente oferece-nos uma nova perspectiva sobre os temas e as ideias da cultura ocidental.

6,00 

6,00 

informação do livro

Harém e o Ocidente de Fatema Mernissi. Edições ASA. Porto, 2001, 126 págs. Mole.

Alfarrabista

 

Sem apontamentos

Enquanto viajava pela Europa e Estados Unidos, promovendo o seu livro Sonhos Proibidos: Memórias de um Harém de Fez (já publicado pela ASA nesta mesma colecção), Fatema Mernissi ficou perplexa ao constatar que, para a maioria dos homens ocidentais, a simples menção da palavra “harém” provoca as mais voluptuosas fantasias sexuais, nas quais o homem consegue dominar mulheres vulneráveis cujo único objectivo é satisfazer-lhe os desejos. A realidade das culturas islâmicas é diametralmente diferente: o harém é visto como palco de arrojadas disputas pelo poder sexual. A mítica Xerazade, que contou histórias dignas de preencher Mil e Uma Noites, é disso um bom exemplo: através de uma sedução mais cerebral do que física, Xerazade usou a sua retórica apaixonada para maravilhar e dominar um sultão. As suas histórias eram a tal ponto subversivas que foram publicadas em árabe apenas um século depois da sua publicação em francês, e continuam até hoje a ser um dos alvos da censura muçulmana. “A Xerazade oriental é puramente cerebral. Nos contos originais, são raras as referências ao corpo de Xerazade, ao passo que a sua sabedoria é relatada até à exaustão”. A investigação de Mernissi denuncia uma sucessão de equívocos e mal-entendidos, e a misogenia, tanto Ocidental como Oriental, que limita a imaginação e dificulta a comunicação entre culturas. Ao convidar-nos a reconsiderar os aspectos mais enraizados na nossa cultura, O Harém e o Ocidente oferece-nos uma nova perspectiva sobre os temas e as ideias da cultura ocidental.

Peso 260 g

sugestões do alfarrabista

0
    0
    Carrinho
    Carrinho VazioRegressar à Loja