O Fio Invisível

Júlio Machado Vaz

7,00 

Título: O Fio Invisível
Autor: Júlio Machado Vaz
Edição: Relógio d’ Água
Ano: 1992
Páginas: 80
Encadernação: Mole
Capa: Fernando Mateus
Depósito Legal: 53496/92
ISBN: 972-708-163-0

SOBRE
Dizer que uma Psicoterapia Breve é, necessariamente, normativa, parece-me outro erro. Mesmo admitindo que a in fluência do psicoterapeuta é muito maior (ao que muitos autores, como vimos, contra põem um maior poder do paciente), recuso-me a aceitar o ponto de vista clássico, segundo o qual a Psicanálise se traduz numa situação de completa au sência de sugestão por parte do terapeuta. Bastará recordar os estudos feitos sobre a influência das intervenções e silêncios dos psicanalistas sobre as cadeias associativas dos analisados.

O problema é, quanto a mim, diverso. Um psicoterapeuta breve que mantém como referência um quadro teórico potencialmente subversivo, só ficará reduzido a um quadro adaptativo se quiser. O planeamento de uma psicote rapia e a utilização da variável tempo não são incompatíveis com a ideia de “libertação psicológica” do paciente. Talvez, até, pelo contrário, pois o acento tónico será posto na capacidade de autonomia daquele e não na inevitabilidade de regressões e dependências prolongadas.