Nascido no Estado Novo

Jornalista e escritor, Fernando Dacosta, tem por várias vezes escrito sobre Portugal do séc. XX. Este livro atravessa, grosso modo, o século XX português. É uma sequência de narrativas (não por ordem cronológica; há vários avanços e recuos) da nossa história e das memórias de Fernando Dacosta. O livro está organizado em 5 capítulos (o autor chama-lhes “ciclos de vida de Portugal”), correspondentes a 5 estações: A Primavera (o início da República, a revolução de Abril), o Verão (a ditadura do Estado-Novo e a “ditadura das multinacionais esclavagistas”) o Estio ( “a afirmação do erotismo e a emergência da liberdade”), o Inverno (os mobilizados de guerra, o excedentarismo) e o Outono (a reinvenção da esperança e a resistência à globalização).
São factos, movimentos, figuras. E dentre estas, não só os políticos, os militares, os artistas, cujo nome, para o bem ou para o mal, ficou na história do país. Também os amigos de Dacosta (alguns deles já desaparecidos e de quem o autor revela saudades), ou figuras com quem se cruzou e conviveu: Agostinho da Silva, Natália Correia, Cardoso Pires, António José Saraiva, Gedeão, Amália, Amélia Rey Colaço, O’ Neill, Mário Viegas, Jorge de Sena. Pessoas que exerceram sobre ele grande influência e viriam a marcar o século e também a sua vida. Quase todos eles opositores do salazarismo. Como Dacosta refere: “Parte do melhor que o Estado Novo nos deu foi parte do que melhor se lhe opôs

7,00 

7,00 

informação do livro

Título: Nascido no Estado Novo
Autor: Fernando Dacosta
Edição: Editorial Notícias
Ano: 2001
Páginas: 375
Encadernação: Mole
Depósito Legal: 169818/01
ISBN: 972-46-0992-8

Alfarrabista

 

Sem apontamentos

Jornalista e escritor, Fernando Dacosta, tem por várias vezes escrito sobre Portugal do séc. XX. Este livro atravessa, grosso modo, o século XX português. É uma sequência de narrativas (não por ordem cronológica; há vários avanços e recuos) da nossa história e das memórias de Fernando Dacosta. O livro está organizado em 5 capítulos (o autor chama-lhes “ciclos de vida de Portugal”), correspondentes a 5 estações: A Primavera (o início da República, a revolução de Abril), o Verão (a ditadura do Estado-Novo e a “ditadura das multinacionais esclavagistas”) o Estio ( “a afirmação do erotismo e a emergência da liberdade”), o Inverno (os mobilizados de guerra, o excedentarismo) e o Outono (a reinvenção da esperança e a resistência à globalização).
São factos, movimentos, figuras. E dentre estas, não só os políticos, os militares, os artistas, cujo nome, para o bem ou para o mal, ficou na história do país. Também os amigos de Dacosta (alguns deles já desaparecidos e de quem o autor revela saudades), ou figuras com quem se cruzou e conviveu: Agostinho da Silva, Natália Correia, Cardoso Pires, António José Saraiva, Gedeão, Amália, Amélia Rey Colaço, O’ Neill, Mário Viegas, Jorge de Sena. Pessoas que exerceram sobre ele grande influência e viriam a marcar o século e também a sua vida. Quase todos eles opositores do salazarismo. Como Dacosta refere: “Parte do melhor que o Estado Novo nos deu foi parte do que melhor se lhe opôs

Peso 475 g

sugestões do alfarrabista

0
    0
    Carrinho
    Carrinho VazioRegressar à Loja