Muito Meu Amor

Ler um livro de Pedro Paixão, em voz alta, à pessoa amada. «Podemos começar por qualquer lado.» Ou lê-lo todo de uma vez, do princípio ao fim, porque nem sempre conseguimos parar. Prende-nos esta linguagem, prendem-nos estas imagens, como quem olha por uma janela e vê «as casas, o céu e o mar», como quem olha por uma janela aberta, agora para dentro, e vê «um quarto pequeno, desarrumado, a cada instante mais desarrumado, os corpos desencontrados e depois encontrados…» “Muito, Meu Amor”. «Um amor que começou antes de ter começado», porque «não há maneira de parar o coração».«E ele agarrou-lhe na mão, e ela agarrou-lhe na mão, e ficaram de mãos agarradas, primeiro a olharem para as mãos, depois levantando lentamente os olhos, que por fim se encontraram, perdendo-se uns nos outros, sem já saber quem via ou era visto, os olhos ao mesmo tempo a verem e a serem vistos, nus, sem qualquer pudor, como se tudo fosse possível uma vez mais, uma última vez, sem esquecer que o que lhes estava a acontecer é impossível, quanto mais de esquecer.»

Indisponível

Esgotado

Indisponível

Esgotado

informação do livro

Muito Meu Amor de Pedro Paixão. Edições Cotovia. Lisboa, 1996, 88 págs. Brochado.

[Assinatura de posse. Sublinhados a caneta.]

Ler um livro de Pedro Paixão, em voz alta, à pessoa amada. «Podemos começar por qualquer lado.» Ou lê-lo todo de uma vez, do princípio ao fim, porque nem sempre conseguimos parar. Prende-nos esta linguagem, prendem-nos estas imagens, como quem olha por uma janela e vê «as casas, o céu e o mar», como quem olha por uma janela aberta, agora para dentro, e vê «um quarto pequeno, desarrumado, a cada instante mais desarrumado, os corpos desencontrados e depois encontrados…» “Muito, Meu Amor”. «Um amor que começou antes de ter começado», porque «não há maneira de parar o coração».«E ele agarrou-lhe na mão, e ela agarrou-lhe na mão, e ficaram de mãos agarradas, primeiro a olharem para as mãos, depois levantando lentamente os olhos, que por fim se encontraram, perdendo-se uns nos outros, sem já saber quem via ou era visto, os olhos ao mesmo tempo a verem e a serem vistos, nus, sem qualquer pudor, como se tudo fosse possível uma vez mais, uma última vez, sem esquecer que o que lhes estava a acontecer é impossível, quanto mais de esquecer.»

Peso 150 g

sugestões do alfarrabista

0
    0
    Carrinho
    Carrinho VazioRegressar à Loja