Memória

Memória é o segundo momento público de uma colaboração estreita entre as artistas Cristina Ataíde e Graça Pereira Coutinho iniciada com «Silêncio?» (Sala do Veado, Lisboa, Julho 1998). O que leva duas artistas a trabalharem juntas? O que as leva de algum modo a prescindirem das suas identidades autorais e autónomas para se fundirem num projecto único? Estas questões são tanto mais pertinentes quanto estamos frente a percursos individuais diferenciados e já firmados no passado, ou seja, não se trata de jovens artistas a darem os primeiros passos no confronto com a exposição pública das suas obras, pelo contrário, estamos perante seniores que paralelamente à produção própria e individual optam pelo registo de colaboração e comunhão?!
E se digo comunhão – termo que caiu um pouco fora de uso na linguagem de hoje, pelo menos no que ao discurso crítico-artistico diz respeito – não é propriamente por escassez de vocabulário ou por uma evocação de educação católica, mas porque penso que ela traduz como nenhuma outra palavra o modo como este projecto se desenvolveu.

5,00 

informação do livro

Memória de Isabel Carlos. Casa da Cêrca. 2000. Mole.

Alfarrabista

 

Sem apontamentos

Memória é o segundo momento público de uma colaboração estreita entre as artistas Cristina Ataíde e Graça Pereira Coutinho iniciada com «Silêncio?» (Sala do Veado, Lisboa, Julho 1998). O que leva duas artistas a trabalharem juntas? O que as leva de algum modo a prescindirem das suas identidades autorais e autónomas para se fundirem num projecto único? Estas questões são tanto mais pertinentes quanto estamos frente a percursos individuais diferenciados e já firmados no passado, ou seja, não se trata de jovens artistas a darem os primeiros passos no confronto com a exposição pública das suas obras, pelo contrário, estamos perante seniores que paralelamente à produção própria e individual optam pelo registo de colaboração e comunhão?!
E se digo comunhão – termo que caiu um pouco fora de uso na linguagem de hoje, pelo menos no que ao discurso crítico-artistico diz respeito – não é propriamente por escassez de vocabulário ou por uma evocação de educação católica, mas porque penso que ela traduz como nenhuma outra palavra o modo como este projecto se desenvolveu.

Peso 370 g

sugestões do alfarrabista

0
    0
    Carrinho
    Carrinho VazioRegressar à Loja