Mar ao Norte

«Chegados às praias do Norte.
Os ares de Ostende
trazem notícias de aves eremitas
habitantes de desconhecidas brumas
olhos de água e terras beijadas
intactas areias distantes nos tempos.»

Mar ao Norte de Henrique Madeira

«O sujeito poético espraia-se aqui por uma geografia oposta à mediterrânica, na tentativa de decifrar signos brumosos ou superfícies brancas de uma extensão hiperbólica – o fascínio dos contrastes -, projecção dessa outra superfície, a da página inocente, à espera (ambas) dos traços reveladores das tensões – das aves ou das sílabas -, dos nervos pressionados pelos mecanismos perversos do quotidiano. É a partir desta antinomia geográfica e cultural que o poema se constrói auscultando o pulsar das cidades, o olhar atento aos sinais infinitos que se insinuam sobre as emoções da longa viagem através» in Prefácio

6,00 

informação do livro

Título: Mar ao Norte
Autor: Henrique Madeira
Edição: Ulmeiro
Colecção | Nº: Imanges do Corpo | 58
Ano: 1996
Páginas: 71
Encadernação: Mole
Depósito Legal: 102907/96
ISBN: 972-706-260-1

Alfarrabista

 

Sem apontamentos

«O sujeito poético espraia-se aqui por uma geografia oposta à mediterrânica, na tentativa de decifrar signos brumosos ou superfícies brancas de uma extensão hiperbólica – o fascínio dos contrastes -, projecção dessa outra superfície, a da página inocente, à espera (ambas) dos traços reveladores das tensões – das aves ou das sílabas -, dos nervos pressionados pelos mecanismos perversos do quotidiano. É a partir desta antinomia geográfica e cultural que o poema se constrói auscultando o pulsar das cidades, o olhar atento aos sinais infinitos que se insinuam sobre as emoções da longa viagem através» in Prefácio

Peso 135 g

sugestões do alfarrabista

0
    0
    Carrinho
    Carrinho VazioRegressar à Loja