Mais Fados & Companhia

Vasco Graça Moura

5,00 

Título: Mais Fados & Companhia
Autor: Vasco Graça Moura
Edição: Público
Ano: 2004
Páginas: 109
Encadernação: Mole
Depósito Legal: 219430/04
ISBN: 972-8892-33-0

SOBRE
Depois de ter publicado as minhas letras do fado vulgar (1997, reedição acrescentada em 2001), pensei que não viria a reincidir nova tentativa de escrever para o mais popular dos nossos géneros cantados. Todavia, em princípios de 2003 e a pedido de Mísia, concordei em escrever uma séries de letras para outras tantas músicas de Carlos Paredes, de que ela gravou a maior parte. Tratava-se de um desafio completamente diferente , uma vez que se tornava necessário preparar textos que “encaixassem” em peças musicais já existentes, o que implicava percorrer um caminho inverso daquele a que eu estava habituado. E com isso me vi envolvido numa experiência muito aliciante e muito complexa que, de resto, me permitiu compreender melhor as estruturas e as subtilezas do universo musical de Paredes.
Foi durante a feitura dessas peças que muitas outras ideias, que nestas coisas são como as cerejas, suscitadas à medida que os referidos textos iam sendo construídos para essa colaboração e discutidos com Mísia, deram lugar a mais uma série de letras para fado.
Na mesma fase ocorreu-me que seria possível estruturar uma sequência de peças em que uma mulher, sozinha no palco, refizesse em fado uma situação dramática do tipo da que é apresentada em La voix humaine, de Jean Cocteau. Daí os dois fados, “angústia ao telefone” que, intercalados numa série mais vasta de desesperos, poderiam pontuá-la.
A todas essas letras vieram agregar-se alguns textos em francês, também destinados a ser cantados, e mais uma ou outra peça incidentalmente produzida, como “coração”, para a homenagem a Paredes, ou “fita encarnada”, para a campanha de luta contra a sida, ou ainda “cristal”, escrita a pedido de Cristina Branco.
Por tudo isso, estas minhas nova letras, que continuam a pretender-se ” do fado vulgar”, surgem sob o título mais fados & cia., que abarca todo o conjunto.


SOBRE O AUTOR

Vasco Navarro da Graça Moura

(1942-2014)

Poeta, romancista, ensaísta, tradutor, foi secretário de Estado de dois Governos provisórios, desempenhou funções diretivas na RTP, na Imprensa Nacional e na Comissão para as Comemorações dos Descobrimentos Portugueses. Em 1999, foi eleito deputado ao Parlamento Europeu. Para ele, a poesia “é uma questão de técnica e de melancolia”, crescendo d’ A Furiosa Paixão pelo Tangível através de uma densa rede metafórica que combina a intertextualidade, relacionada especialmente com Camões, Jorge de Sena, Dante, Shakespeare e Rilke, objetos privilegiados de estudo deste autor, e uma tendência ironicamente discursivista assente na agilidade sintática. É autor de três ensaios sobre Camões: Luís de Camões: Alguns Desafios (1980), Camões e a Divina Proporção (1985) e Sobre Camões, Gândavo e Outras Personagens (2000). Em 1996, a sua obra foi reunida em volume. Dos títulos deste autor, podemos salientar Concerto Campestre, os romances Quatro Últimas Canções (1987) e Meu Amor Era de Noite (2001), os livros de poesia Uma Carta no Inverno, que lhe valeu o prémio da APE, e Poemas com Pessoas (ambos de 1997). Recebeu o Prémio Pessoa em 1995 e a medalha de ouro da Comuna de Florença em 1998, ambos atribuídos à sua tradução da Divina Comédia de Dante.


OBRAS DO AUTOR


RELACIONADOS


Voltar