Hermenêutica e Mal-Estar

« Este livro trata de quatro sintomas de mal-estar ou de quatro características da hermenêutica ou de quatro razões da fidelidade de algumas pessoas à literatura.»

A literatura coloca problemas dificeis a uma teoria da interpretação. Esses problemas dão origem a situações de desconforto, que todo o leitor aprende à sua própria custa. Mas o problema desses problemas é que são necessários, isto é, não é possível não interpretar literatura.

Uma longa tradição habituou-se a considerar a interpreta ção como uma relação entre dois pólos simétricos, vista muitas vezes à imagem de um diálogo entre duas pessoas. Acontece porém que quando duas pessoas conversam elas ouvem-se uma à outra num sentido nada metafórico: mas quando interpretamos um poema só num sentido muito metafórico é que ele nos responde.

Como grande parte das coisas que interpretamos são usa das sem pensar no momento da interpretação, geralmente não se repara nesse facto. Mas a literatura é na maior parte dos casos usada de outro modo: é por isso que os proble mas da interpretação emergem nela de forma mais explícita.

Com efeito, e por estranho que possa parecer, não existem concepções da interpretação que partam da assimetria estrutural de todo o acto hermenêutico. Mas, ao mesmo tempo, não há interpretações que consigam durante muito tempo tratar dos textos como se fossem pessoas a sério.

7,50 

7,50 

informação do livro

Título: Hermenêutica e Mal-Estar
Autor: Miguel Tamen
Edição: INCM
Colecção | Nº: Estudos Gerais
Ano: 1987
Páginas: 171
Encadernação: Mole
Capa: Armando Alves
Depósito Legal: 7736/87

Alfarrabista

 

Sem apontamentos

A literatura coloca problemas dificeis a uma teoria da interpretação. Esses problemas dão origem a situações de desconforto, que todo o leitor aprende à sua própria custa. Mas o problema desses problemas é que são necessários, isto é, não é possível não interpretar literatura.

Uma longa tradição habituou-se a considerar a interpreta ção como uma relação entre dois pólos simétricos, vista muitas vezes à imagem de um diálogo entre duas pessoas. Acontece porém que quando duas pessoas conversam elas ouvem-se uma à outra num sentido nada metafórico: mas quando interpretamos um poema só num sentido muito metafórico é que ele nos responde.

Como grande parte das coisas que interpretamos são usa das sem pensar no momento da interpretação, geralmente não se repara nesse facto. Mas a literatura é na maior parte dos casos usada de outro modo: é por isso que os proble mas da interpretação emergem nela de forma mais explícita.

Com efeito, e por estranho que possa parecer, não existem concepções da interpretação que partam da assimetria estrutural de todo o acto hermenêutico. Mas, ao mesmo tempo, não há interpretações que consigam durante muito tempo tratar dos textos como se fossem pessoas a sério.

Peso 260 g

sugestões do alfarrabista

0
    0
    Carrinho
    Carrinho VazioRegressar à Loja