Gente de Palmo e Meio

Maria, poisando as mãos esguias na balaustrada de granito, ficou a olhar absorta as águas múrmuras do mar.
…E eu, homem de som e de ritmo, a quem a materialidade raramente enleva, contemplava maravilhado o talhe «primitivo» das suas mãos, duma brancura de magnólia aberta, e todas enredadas de veiazinhas azuis.
E eu que, por uma estrofe sem mácula, daria de bom grado todos os sagrados mármores da Hélada, senti nesse instante quanto de milagroso haveria em domar a bruteza dum «bloco» de Paros até que o cinzel afeiçoasse nele a infinita candura daquelas mãozinhas débeis…

7,50 

7,50 

informação do livro

Gente de Palmo e Meio de Augusto Gil. Portugália Editora. 1965. 141 págs. Br. Ilustrações de João da Câmara Leme

Alfarrabista

 

[Exemplar por abrir}

Maria, poisando as mãos esguias na balaustrada de granito, ficou a olhar absorta as águas múrmuras do mar.
…E eu, homem de som e de ritmo, a quem a materialidade raramente enleva, contemplava maravilhado o talhe «primitivo» das suas mãos, duma brancura de magnólia aberta, e todas enredadas de veiazinhas azuis.
E eu que, por uma estrofe sem mácula, daria de bom grado todos os sagrados mármores da Hélada, senti nesse instante quanto de milagroso haveria em domar a bruteza dum «bloco» de Paros até que o cinzel afeiçoasse nele a infinita candura daquelas mãozinhas débeis…

Peso 300 g

sugestões do alfarrabista

0
    0
    Carrinho
    Carrinho VazioRegressar à Loja