Fisiologia da Mulher

«A mulher e o homem têm um tipo de beleza diferente; e quando se afastam para se aproximarem do sexo oposto, o tipo torna-se feio. A mulher magra, de ancas mais estreitas que as espáduas, com seios atrofiados, barbada, e usando cabelos curtos, é um monstro. Da mesma forma, o homem sem barba, provido de grandes
ancas, todo roliço, é horrível.» p. 127

Quando por hábito ou por devoção, por curiosidade ou por amor assistis à missa na igreja, – sejais ou não sejais crentes, – há um momento em que devereis abrir bem os olhos e sentir abalado o coração. É quando o sacerdote, inclinando humildemente o corpo diante do altar, em que cintila o cálice doirado na penumbra do templo, bate no peito com a mais profunda submissão, exclamando repetidas vezes: Domine, non sum dignus!  Seja êste rito uma recordação da antropofagia ou um mito histórico, pouco importa. O que é, de facto, é uma das cenas mais comoventes, um dos quadros mais humanos da história das religiões.

5,00 

5,00 

informação do livro

Fisiologia da Mulher de Paulo Mantegazza. Livraria Clássica Editora. Lisboa, 1946 [?], 333 págs. Mole.

Alfarrabista


Sem apontamentos.

Quando por hábito ou por devoção, por curiosidade ou por amor assistis à missa na igreja, – sejais ou não sejais crentes, – há um momento em que devereis abrir bem os olhos e sentir abalado o coração. É quando o sacerdote, inclinando humildemente o corpo diante do altar, em que cintila o cálice doirado na penumbra do templo, bate no peito com a mais profunda submissão, exclamando repetidas vezes: Domine, non sum dignus!  Seja êste rito uma recordação da antropofagia ou um mito histórico, pouco importa. O que é, de facto, é uma das cenas mais comoventes, um dos quadros mais humanos da história das religiões.

Peso 310 g

sugestões do alfarrabista

0
    0
    Carrinho
    Carrinho VazioRegressar à Loja