Ficções 11

Ficções 11 de Luísa Costa Gomes

A Ficções inclui nesta sua décima primeira edição seis contos sobre as misteriosas verdades do amor. Logo no início, André Gide ficciona sobre a parábola bíblica do Filho Pródigo em O regresso do filho pródigo, um texto de solenidade íntima e natureza quasi-teatral, constituído por sucessivos diálogos. Publicado pela primeira vez na recém-fundada Nouvelle Revue Française em Fevereiro de 1912, o texto revela um Gide ainda ligado ao simbolismo e tematiza uma das contradições maiores de toda a sua obra, o conflito entre o conservadorismo e o hedonismo. A tradução é de Helena Faria. José Lima traduziu, por sua vez, Os filhos madraços, poderoso e lancinante conto de Italo Calvino, num ambiente rural que lembra Gogol e Dostoievski em dieta minimalista. João Martins traduziu, também pela primeira vez em Portugal, o conto de Albert Camus, A mulher adúltera, uma viagem pelo deserto, que inclui uma das mais belas cenas de sexo cósmico de que se conhece relato. Cristina Fernandes da Silva dá-nos, directamente do polaco, um delírio de perseguição assinado pelo grande romancista de Ferdydurke e de Pornografia, Witold Gombrowicz. Ethan Coen, o cineasta e autor , com o irmão Joel, de guiões como Fargo e Barton Fink, assina como contista, em tradução de José Lima, Os rapazes, um texto razoavelmente autobiográfico. Por fim, um dos contos mais notáveis do grande escritor italiano Gianni Celati, ele mesmo “descoberto” e encorajado por Italo Calvino . Avisos à navegação , novamente em tradução de José Lima, foi publicado em 2001 na colecção de contos Cinema Naturale, escrita ao longo de vinte anos de trabalho.

3,50 

informação do livro

Ficções 11 de Luísa Costa Gomes. Tinta Permanente. Lisboa, 2015, 137 págs. Brochado

Sem apontamentos.

A Ficções inclui nesta sua décima primeira edição seis contos sobre as misteriosas verdades do amor. Logo no início, André Gide ficciona sobre a parábola bíblica do Filho Pródigo em O regresso do filho pródigo, um texto de solenidade íntima e natureza quasi-teatral, constituído por sucessivos diálogos. Publicado pela primeira vez na recém-fundada Nouvelle Revue Française em Fevereiro de 1912, o texto revela um Gide ainda ligado ao simbolismo e tematiza uma das contradições maiores de toda a sua obra, o conflito entre o conservadorismo e o hedonismo. A tradução é de Helena Faria. José Lima traduziu, por sua vez, Os filhos madraços, poderoso e lancinante conto de Italo Calvino, num ambiente rural que lembra Gogol e Dostoievski em dieta minimalista. João Martins traduziu, também pela primeira vez em Portugal, o conto de Albert Camus, A mulher adúltera, uma viagem pelo deserto, que inclui uma das mais belas cenas de sexo cósmico de que se conhece relato. Cristina Fernandes da Silva dá-nos, directamente do polaco, um delírio de perseguição assinado pelo grande romancista de Ferdydurke e de Pornografia, Witold Gombrowicz. Ethan Coen, o cineasta e autor , com o irmão Joel, de guiões como Fargo e Barton Fink, assina como contista, em tradução de José Lima, Os rapazes, um texto razoavelmente autobiográfico. Por fim, um dos contos mais notáveis do grande escritor italiano Gianni Celati, ele mesmo “descoberto” e encorajado por Italo Calvino . Avisos à navegação , novamente em tradução de José Lima, foi publicado em 2001 na colecção de contos Cinema Naturale, escrita ao longo de vinte anos de trabalho.

Peso 251 g

sugestões do alfarrabista

0
    0
    Carrinho
    Carrinho VazioRegressar à Loja