«Trata-se […] de um relato de viagem de Valhadolide para Lisboa. Mas a narrativa está entretecida com descrições de paisagens e de personagens, com notícias sobre preços e modas, com dados sobre religiosidade e festas, com sátiras e anedotas. Ao longo de todo o reconto da viagem, Tomé Pinheiro da Veiga faz o confronto entre Portugueses e Espanhóis. Dir-se-ia que, opondo Portugueses e Espanhóis a propósito de tudo e de quase nada, o autor de Fastiginia intenta, ao fim e ao cabo, definir a identidade de cada um destes povos. À ‘exuberante satisfação do viver social espanhol’ opõe Tomé Pinheiro da Veiga, segundo Sampaio Bruno, ‘o soturno pesadume português’. O sentido do humor e a ironia, a finura e a desenvoltura de certos comentários tornam a leitura da Fastiginia um prazer quase inesgotável.» 2ª Edição, sobre fac-símile da edição de 1911 da Biblioteca Pública Municipal do Porto

Fastigimia de Thomé Pinheiro da Veiga

«Trata-se […] de um relato de viagem de Valhadolide para Lisboa. Mas a narrativa está entretecida com descrições de paisagens e de personagens, com notícias sobre preços e modas, com dados sobre religiosidade e festas, com sátiras e anedotas. Ao longo de todo o reconto da viagem, Tomé Pinheiro da Veiga faz o confronto entre Portugueses e Espanhóis. Dir-se-ia que, opondo Portugueses e Espanhóis a propósito de tudo e de quase nada, o autor de Fastiginia intenta, ao fim e ao cabo, definir a identidade de cada um destes povos. À ‘exuberante satisfação do viver social espanhol’ opõe Tomé Pinheiro da Veiga, segundo Sampaio Bruno, ‘o soturno pesadume português’. O sentido do humor e a ironia, a finura e a desenvoltura de certos comentários tornam a leitura da Fastiginia um prazer quase inesgotável.» 2ª Edição, sobre fac-símile da edição de 1911 da Biblioteca Pública Municipal do Porto

INDISPONÍVEL

informação do livro

Título: Fastigimia
Autor: Thomé Pinheiro da Veiga
Edição: INCM
Ano: 1988
Páginas: 374
Encadernação: Mole
Depósito Legal: 20228/88

«Trata-se […] de um relato de viagem de Valhadolide para Lisboa. Mas a narrativa está entretecida com descrições de paisagens e de personagens, com notícias sobre preços e modas, com dados sobre religiosidade e festas, com sátiras e anedotas. Ao longo de todo o reconto da viagem, Tomé Pinheiro da Veiga faz o confronto entre Portugueses e Espanhóis. Dir-se-ia que, opondo Portugueses e Espanhóis a propósito de tudo e de quase nada, o autor de Fastiginia intenta, ao fim e ao cabo, definir a identidade de cada um destes povos. À ‘exuberante satisfação do viver social espanhol’ opõe Tomé Pinheiro da Veiga, segundo Sampaio Bruno, ‘o soturno pesadume português’. O sentido do humor e a ironia, a finura e a desenvoltura de certos comentários tornam a leitura da Fastiginia um prazer quase inesgotável.» 2ª Edição, sobre fac-símile da edição de 1911 da Biblioteca Pública Municipal do Porto

Peso 590 g

sugestões do alfarrabista

0
    0
    Carrinho
    Carrinho VazioRegressar à Loja