Eleições Presidenciais

Alberto Serpa

12,50 

Título: Eleições Presidenciais
Autor: Alberto Serpa [Col., Et al.]
Edição: Delfos
Colecção | Nº: Compasso do Tempo | 8
Ano: s.d.
Páginas: 438
Encadernação: Mole
Título Completo: Eleições Presidenciais: Subsídios para a história das candidaturas de Norton de Matos (1949) – Quintão Meireles (1952) e Humberto Delgado (1958).
Obs.: A autoria deste livro é desconhecida, mas nele figuram textos de Alberto Serpa, Miguel Torga, Cunha Leal, Pulido Valente, Luís de Almeida Braga, entre muitas outras personalidades.

 

Categorias: , Etiqueta:

EXCERTO
Descendo à liça, a propor a candidatura do general Norton de Matos e a dar-lhe o meu voto numas eleições que desejo honestas e livres, defendo a minha independência de escritor. Um poeta, acusado de fechar-se na sua Torre de Marfim, é um homem; a solidão a que se vota, as horas em que foge do bulício para conhecer-se e cantar, dão-lhe da vida e da humanidade, uma consciência não menos profundo que a dos outros homens.


SOBRE O AUTOR

Alberto Serpa
(1906-1922)

Frequentou a Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra (1923-1926), regressando ao Porto sem se licenciar. Aí foi algum tempo empregado de comércio, após o que seguiu a carreira de profissional de seguros. Em 1936, esteve preso por não gostar do doutor Salazar. Está o seu nome directamente ligado a revistas como a Presença e, ao lado de Vitorino Nemésio, a Revista de Portugal, de que foi secretário. A sua poesia é marcada por uma discreta sensibilidade, por um sentido de recolhimento e intimismo. No entanto, ela pode ganhar outros tons: é, por exemplo, o que decorre de um empenhamento ou experiência moral em face de certas circunstâncias como as que se referem à segunda Guerra Mundial: «não saia da tua boca um eco dos cantos heróicos / que vão lá por fora a chamar os homens para a morte!» Um aspecto importante a considerar na poesia de Alberto de Serpa decorre do modo como ela recupera o versilibrismo que fora desenvolvido pelo nosso modernismo, ganhando, por vezes, os seus poemas uma estrutura versicular. É autor de uma novela, Saudades do Mar (1923). Nesses anos 20 publicou dois livros de poesia que, todavia, não incluiu no volume onde se recolhe a sua obra: A Poesia de Alberto de Serpa, 1981.


OBRAS DO AUTOR


RELACIONADOS


Voltar