Canções Populares de Nova Lisboa

Alfredo Margarido

7,50 

Título: Canções Populares de Nova Lisboa
Autor: Alfredo Margarido
Edição: União das Cidades Capitais de Língua Portuguesa
Ano: 2015
Páginas: 61
Encadernação: Mole
Depósito Legal: 378503/14
Obs.: Fac-simile da 1ª edição de 1964 – Casa dos Estudantes do Império.

 

SINOPSE
É evidente que, ao abordarmos a substância destas canções, temos em vista encará-las como a resultante imediata, no plano da poesia e da música populares, de um processo rápido de transformação dos quadros sociais angolanos. Não deixa de ser importante notar a conjugação existente entre a orientação que se regista em tais canções e a espinha dorsal que podemos encontrar na poesia erudita angolana. O que vale dizer que existe um profundo elo entre a temática das formas poéticas populares e a das formas poéticas eruditas.


SOBRE O AUTOR

Ficcionista, poeta e ensaísta, tradutor de Anouilh, Faulkner, James Joyce, Steinbeck, Dylan Thomas, Nietzche, Saint-John Perse, Kafka, entre muitos outros autores, Alfredo Margarido desenvolveu numerosos trabalhos de investigação literária em torno de Pessoa e da literatura africana de expressão portuguesa, tendo ainda colaborado em publicações como Árvore, Cadernos do Meio-Dia, Jornal do Fundão, Jornal de Letras, Persona, ou Colóquio/Letras. Radicado desde 1964 em Paris, onde desenvolveu as atividades de investigador na École des Hautes Études e de docente na Sorbonne, deve-se à convivência com a cultura e literatura francesas a divulgação em Portugal do movimento nouveau roman, teorizado, com Artur Portela Filho, em O Novo Romance (1963) (seguido da tradução, no ano seguinte, dos textos teóricos reunidos por Nathalie Sarraute em A Era da Suspeita) e cujas marcas influirão sobre a sua prática romanesca. Com efeito, verifica-se no conjunto da sua obra ficcional uma tendência para uma “dissolução do acontecimento e do espaço romanesco na memória obsessiva e predominantemente objectual das personagens.” (SEIXO, Maria Alzira, Portugal – A Terra e o Homem, 2.ª série, vol. II, p. 197). A poesia de Alfredo Margarido, revelada na época de 50, sugere, em Poemas com Rosas, as influências de Pessoa e de Rilke (cf. MARTINHO, Fernando J. B., p. 228), enquanto o Poema para uma Bailarina Negra, de 1958, composto aquando de uma estada em Luanda, se insere na prática de escrita surrealista, tendo aliás alguns textos do autor sido posteriormente inseridos na Antologia Surrealista do Cadáver Esquisito organizada por Mário de Cesariny, em 1961.


OBRAS DO AUTOR


RELACIONADOS


Voltar