Boas Intenções

««Tenho muitas coisas em que pensar, sabes?» Alexandre não ignora: as palavras em si mesmas pouco valem ou nem valem nada. Então porque discutiu com a mulher, levando a sério o que traduzia somente um mau humor momentâneo? Faltou-lhe o bom senso de considerar aquela explosão no seu peso exacto que é nulo. »

Encontramos de novo neste livro de Augusto Abelaira a agilidade dos conceitos, a graça fluente dos diálogos, a subtileza que avultavam já nas suas obras anteriores, e se nos deparam logo com o título -quem sabe se triste, se impertinente deste romance que decorre nas vésperas da implantação da República. Assistimos à aventura espiritual de três jovens e de outros, menos jovens – à procura do sentido da vida e da acção, quer através de uma verdade interior egoisticamente conseguida, quer através de uma alienação lúcida -talvez até demasiado lúcida a favor da comunidade. Estas páginas de invulgar sagacidade exploram, com um sorriso amargo, os pequenos mecanismos da História, os motivos, ambições e esperanças de cada um, o papel subterrâneo da vaidade, do egoísmo e das nossas ilusões, bem como o valor pragmático da intervenção do indivíduo na marcha do mundo. A esperança sempre duvidosa” num futuro melhor embater contra as inúmeras fraquezas humanas, e também contra o fracasso íntimo das personagens, expresso sem ênfase, mas com a tibieza e o desencanto característicos de vidas onde falharam todas as intenções) as boas e as outras.
Romance de uma época de crise, esta obra onde por vezes se discute a utilidade da acção, misturada com o acaso para construir a História estrutura-se de um modo muito original e de grande sedução: nela aliam-se o passado, o presente e o futuro, em breves trechos que se respondem uns aos outros, num perpétuo fenómeno de eco que dá às tentativas dos heróis um sentido novo e ines perado de relatividade. Diz uma frase célebre que a som brado futuro se projecta no presente»: é o que parece demonstrar este romance de espelhos, em que se reflecte, de modo perturbante, uma realidade movediça numa perspectiva interior sempre flutuante. Um encanto profundo e estranho depreende-se desta obra perturbadora, terna e cruel, que nega e afirma ao mesmo tempo, mas cujo pessimismo, consequência de um certo presente histórico, não se fecha à esperança de um futuro mais fecundo.

6,00 

6,00 

informação do livro

As Boas Intenções de Augusto Abelaira. Livraria Bertrand. Amadora, 1978, 272 págs. Mole. 2ª Edição.

Alfarrabista

Assinatura de posse.

Encontramos de novo neste livro de Augusto Abelaira a agilidade dos conceitos, a graça fluente dos diálogos, a subtileza que avultavam já nas suas obras anteriores, e se nos deparam logo com o título -quem sabe se triste, se impertinente deste romance que decorre nas vésperas da implantação da República. Assistimos à aventura espiritual de três jovens e de outros, menos jovens – à procura do sentido da vida e da acção, quer através de uma verdade interior egoisticamente conseguida, quer através de uma alienação lúcida -talvez até demasiado lúcida a favor da comunidade. Estas páginas de invulgar sagacidade exploram, com um sorriso amargo, os pequenos mecanismos da História, os motivos, ambições e esperanças de cada um, o papel subterrâneo da vaidade, do egoísmo e das nossas ilusões, bem como o valor pragmático da intervenção do indivíduo na marcha do mundo. A esperança sempre duvidosa” num futuro melhor embater contra as inúmeras fraquezas humanas, e também contra o fracasso íntimo das personagens, expresso sem ênfase, mas com a tibieza e o desencanto característicos de vidas onde falharam todas as intenções) as boas e as outras.
Romance de uma época de crise, esta obra onde por vezes se discute a utilidade da acção, misturada com o acaso para construir a História estrutura-se de um modo muito original e de grande sedução: nela aliam-se o passado, o presente e o futuro, em breves trechos que se respondem uns aos outros, num perpétuo fenómeno de eco que dá às tentativas dos heróis um sentido novo e ines perado de relatividade. Diz uma frase célebre que a som brado futuro se projecta no presente»: é o que parece demonstrar este romance de espelhos, em que se reflecte, de modo perturbante, uma realidade movediça numa perspectiva interior sempre flutuante. Um encanto profundo e estranho depreende-se desta obra perturbadora, terna e cruel, que nega e afirma ao mesmo tempo, mas cujo pessimismo, consequência de um certo presente histórico, não se fecha à esperança de um futuro mais fecundo.

Peso 250 g

sugestões do alfarrabista

0
    0
    Carrinho
    Carrinho VazioRegressar à Loja