Obra Filosófica II

7,50 

Título: Obra Filosófica II
Autor: Vieira de Almeida
Edição: Fundação Calouste Gulbenkian
Ano: 1987
Páginas: 781
Encadernação: Dura
Capa: Vitor Silva

 

 

Categorias: , Etiqueta:

EXCERTO
Na técnica e na aplicabilidade, a orientação profissional continua naturalmente, a merecer atenção em toda a parte, para melhoria do resultado e maior lucro do esforço despendido; e ainda porque todos quantos conhecem a tarefa, na sua importância e também na sua deficiência, não podem vê-la, como certos amadores, com olhos de satisfação plena e gozo beato, nem crêem, de forma alguma, ter obtido segurança definitiva.


SOBRE O AUTOR

Escritor português, de nome completo Francisco Lopes Vieira de Almeida, nascido a 6 de junho de 1888, em Castelo Branco, e falecido a 20 de janeiro de 1962, em Cascais. Formado na Faculdade de Letras de Lisboa, com uma Licenciatura e Doutoramento em Filosofia, onde permaneceria como docente até ao ano de 1958. Poeta e romancista, foi, todavia, no âmbito da Filosofia que mais se notabilizou, nomeadamente, na área da Lógica, da Gnosiologia e da Estética.
A obra filosófica de Vieira de Almeida parece demonstrar a atitude que ele próprio exige à Filosofia: uma permanente busca – por via da análise, que Vieira de Almeida valoriza especialmente – de coerência do sistema de conceitos veiculados pelas doutrinas filosóficas. Esta visão pressupõe que a Filosofia tem de ser sistemática, donde resulta que qualquer filosofia que careça de sistematicidade não possa ser considerada como tal.
Vieira de Almeida, influenciado profundamente pela doutrina do Círculo de Viena, lança críticas fortes à metafísica ontológica, afirmando que não lhe é lícito atribuir-se a existência como atributo. Na sequência deste raciocínio afirma que a filosofia não pode ser metafísica, a metafísica é que pode ser ou não ser filosófica.
Vieira de Almeida ataca a lógica clássica, defendendo que a lógica deve ser apofântica.


OBRAS DO AUTOR


RELACIONADOS


Voltar