A Carne

5,00 

Título: A Carne
Autor: Júlio Ribeiro
Edição: Livreiros Reunidos
Ano: 1932
Páginas: 196
Encadernação: Dura
Obs.: Encadernação Amadora.

 

SINOPSE
O livro conta a história da garota Lenita, cuja mãe morrera em seu nascimento e o pai educara-a ministrando-lhe instrução acima do comum. Lenita era uma garota especial, inteligente e cheia de vida. No entanto, aos 22 anos, após a morte de seu pai, tornou-se uma jovem extremamente sensível e teve sua saúde abalada. Com o intuito de sentir-se melhor, Lenita decide ir viver no interior de São Paulo, na fazenda do coronel Barbosa, velho que havia criado seu pai. Lá, conhece Manuel Barbosa, o filho do coronel. Manuel era um homem já maduro e exímio conhecedor das coisas da vida, vivia trancado no quarto com seus livros e periodicamente partia para longas caçadas; vivera por dez anos na Europa, onde se casara com uma francesa de quem separara-se há muito tempo. Lenita firmara uma sólida amizade com Manuel, que, aos poucos, vai se revelando uma tórrida paixão, no início, repelida por ambos, mas depois consolidada com fervor em nome do forte desejo da “carne”.


SOBRE O AUTOR

Júlio César Ribeiro Vaughan nasceu em Sabará, Minas Gerais, a 16 de abril de 1845, filho de George Washington Vaughan e Maria Francisca Ribeiro Vaughan. A sua mãe, sendo professora, ensina-o durante os estudos primários, matriculando-o, posteriormente, num colégio da região. Em 1862, deixa Minas e ingressa na Escola Militar do Rio de Janeiro, abandonando-a, três anos depois, para se dedicar às actividades do jornalismo e ao magistério, com as quais possuía estreitas afinidades, dado o conhecimento das línguas clássicas (grego e latim) e modernas.
Enquanto escritor, liga-se à então ascendente escola naturalista, com influências marcantes dos franceses Émile Zola e Guy de Maupassant, do russo Anton Tchekhov, e do britânico e teórico da evolução Charles Darwin.
A 1º de novembro de 1890, falece com tuberculose, passando à posteridade como um dos autores mais conhecidos do Naturalismo Brasileiro. Júlio Ribeiro é o patrono da cadeira nº 24 da Academia Brasileira de Letras, por escolha do fundador Garcia Redondo.


OBRAS DO AUTOR


RELACIONADOS


Voltar