Publicado em

Gabriel Pereira de Castro

Desembargador da Relação do Porto, escreveu obras jurídicas e literárias. Estas, na sua maior parte, permanecem inéditas. O poema narrativo Ulisseia só foi publicado quatro anos depois da morte do autor. Tem dez cantos em oitava rima. Foi na época posto a par d’ Os Lusíadas, que muitas vezes imita. Exímio representante da poesia cultista, mereceu que Lope de Vega lhe dedicasse um soneto. Deixou ainda obras poéticas em diversas línguas, até hoje inéditas. Favorável ao domínio filipino, foi principalmente na Espanha que teve honras de grande poeta. O poema Ulisseia foi editado em 1636 e reeditado em 1642, 1745 e 1827. Há poesias suas na obra de Manuel de Galhegos, Gigantomaquia e em Anagrama de la Vida Humana, de Henrique Visório.