Posted on

Hermann Hesse

Hermann Hesse (1877-1962) nasce em Calw, na .Alemanha, no seio de uma família muito religiosa. Na adolescência, recusa a religião, a família e acumula uma cultura autodidacta. Começa a publicar a partir de 1899 mas o sucesso chega em 1904 com o romance Peter Camenzind. Casa e muda-se para o lago de Constança. Graças a uma viagem à índia, em 1911, trava conhecimento com a espiritualidade oriental. O eclodir da guerra lança-o numa grave crise. Recorre aos cuidados de um discípulo de Jung. A psicanálise deixa igualmente vestígios na sua obra. Em 1920, muda-se para a Suiça e, dois anos depois, publica Siddhartha. Nos anos obscuros do nazismo escreve O
Jogo das Contas de Vidro. Em 1946, recebe o prémio Goethe e, passados alguns meses, o Nobel.

Posted on

José Saramago

José Saramago nasce em Azinhaga, Ribatejo. Durante os anos da ditadura de Salazar, exerce várias profissões antes de iniciar a actividade de tradutor e colaborador de editoras para as quais escreve crónicas e editoriais. A sua estreia como romancista data de 1947 com Terra do Pecado. Em 1969 inscreve-se no Partido Comunista Português e a partir de 1976 dedica-se à tradução e à sua obra literária. O sucesso chega com o romance Levantado do Chão, publicado em 1980; vence o prémio Cidade de Lisboa, a que se seguiriam muitos outros ao longo dos anos, culminando no Nobel da literatura, em 1998, que veio confirmar o consenso universal em tomo da sua produção.

 

Posted on

Umberto Eco

Umberto Eco, nascido em Alessandria em 1932, professor de semiótica na Universidade de Bolonha, dedicou-se, enquanto ensaísta, aos temas da estética, semiótica, filosofia da linguagem, teoria da literatura e da arte e sociologia da cultura. Autor de artigos de opinião nos jornais “Espresso” e “Repubblica”, estreou-se como escritor em 1980, alcançando fama mundial. Escreveu até à data quatro romances: O Nome da Rosa (1980), O Pêndulo de Foucault (1988), 11 isola del giomo prima (1994), Baudolino (2000). De entre as obras •msaísticas destacam-se O problema estético em S. Tomás (1956), Obra aberta (1962), Apocalípticos e Integrados (1964), La struttura assente (1968), Le forme del contenuto (1971), 7rattato di semiótica generale (1975), Lectcrrin fabula (1979), Semiótica e filosofia del linguaggio (1984), I limiti dellmterpretazione (1990), Sei passeggiate nei boschi narratwi (1994), Tra menzogna e ironia (1998). Os seus textos jornalísticos estão reunidos em Diário Mínimo (1963), II secondo diário minimo (1990), La bustina di Minerva (2000).

Posted on

José Eduardo Agualusa

José Eduardo Agualusa nasceu na cidade do Huambo, em Angola, a 13 de dezembro de 1960. Estudou Agronomia e Silvicultura. Viveu em Lisboa, Luanda, Rio de Janeiro e Berlim. É romancista, contista, cronista e autor de literatura infantil. Os seus romances têm sido distinguidos com os mais prestigiados prémios nacionais e estrangeiros, como, por exemplo, o Grande Prémio de Literatura RTP (atribuído a Nação Crioula, 1998); também os seus contos e livros infantis foram merecedores de prémios, como o Grande Prémio de Conto da APE e o Grande Prémio de Literatura para Crianças da Fundação Calouste Gulbenkian, respetivamente. O Vendedor de Passados ganhou o Independent Foreign Fiction Prize, em 2004, e, mais recentemente, o romance Teoria Geral do Esquecimento foi finalista do Man Booker International, em 2016, e vencedor do International Dublin Literary Award (antigo IMPAC Dublin Award), em 2017.
A partir de 2013, José Eduardo Agualusa começou a publicar a sua obra na Quetzal.

Posted on

José Freire Antunes

José Freire Antunes é Mestre em Relações Internacionais pela Faculdade de Ciências da Comunicação da Universidade Complutense de Madrid. Foi Research Associate e Visiting Scholar da Universidade de Columbia, em Nova Iorque e adjunto político do primeiro-ministro Aníbal Cavaco Silva entre 1988 e 1993. Autor de mais de vinte livros sobre a história e as relações externas de Portugal, tem inúmeros artigos publicados em diversos jornais e revistas. Casado e com quatro filhos, faleceu em França, em 2015.

Posted on

José Relvas

Político e diplomata português, nascido em 1858 e falecido em 1929, de nome completo José Mascarenhas Relvas, que com Magalhães Lima, em 1910, desencadeou uma campanha, abrangendo mesmo a imprensa estrangeira, que preparou a opinião nacional e internacional para o movimento revolucionário que instaurou a República. Em 5 de outubro, coube-lhe proclamar, da Câmara Municipal de Lisboa, a implantação da Republica. Foi depois membro do Governo por diversas vezes.

Posted on

Fernando Dacosta

Ficcionista e autor dramático, formado em Filologia Românica pela Faculdade de Letras de Lisboa, exerceu a actividade profissional de jornalista, na sequência da qual publicou os trabalhos de investigação jornalística Os Retornados Estão a Mudar Portugal (Grande Prémio de Reportagem do Clube Português de Imprensa) e Moçambique, Todo o Sofrimento do Mundo (Prémios Gazeta e Fernando Pessoa). Estreou-se como dramaturgo com Um Jipe em Segunda Mão , peça que, tendo por tema as sequelas da guerra colonial portuguesa, foi distinguida com o Grande Prémio de Teatro da RTP, e editada, em 1983, com o monólogo dramático A Súplica e o diálogo Um Suicídio Sem Importância, volumes a que se seguiriam os trabalhos teatrais Sequestraram o Senhor Presidente (1983) e A Nave Adormecida (1988). Tentado pela maior liberdade de tratamento do espaço e do tempo no registo novelístico, com O Viúvo (Grande Prémio da Literatura do Círculo de Leitores) e Os Infiéis , afirmou-se no domínio da ficção com uma escrita instituída como indagação obsessiva sobre uma portugalidade entrevista num passado recente (O Viúvo ) ou no período dos Descobrimentos (Os Infiéis), e estabelecendo nexos de intertextualidade com outros autores de língua portuguesa que integram ou reflectiram sobre a mitologia do ser português, como Agostinho da Silva, Jaime Cortesão, Antero, Pascoaes, Oliveira Martins, Camões ou Pessoa.

Posted on

Pedro Canais

Pedro CanaisPedro Canais nasceu em Torres Novas em 1962. Completou o ensino secundário no Brasil e frequentou o curso de Economia da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Regressou a Portugal e entrou no curso de História da Faculdade de Letras de Lisboa. Foi criativo em várias agências de publicidade. Trabalha actualmente na SIC, como copywriter de televisão. “A Lenda de Martim Regos” é o primeiro romance que publica.

 

Posted on

Yves Léonard

Yves Léonard é docente em História na Sciences Po, em Paris, doutorado em História com a tese: Salazarisme, nationalisme et idée coloniale au Portugal.
É especialista de história contemporânea de Portugal. Na Science Po, é responsável por vários cursos nos últimos anos, sobre Nações e Nacionalismo na Europa Moderna, História e Geopolítica dos Mundos lusófonos, História da Europa e História de Portugal no século XX. É Investigador Correspondente no Centre de Histoire de Sciences Po, e Investigador associado do Laboratoire de Etudes Romanes, Université Paris 8 – Saint-Denis.

 

 

 

Posted on

Paul Sussman

Paul Sussman, (1966-2012), autor de vários best-sellers internacionais, era arqueólogo de profissão. Ensinou História na Universidade de Cambridge. Decidiu viajar pelo mundo durante três anos, tendo ganho a vida enquanto descobridor de túmulos, empreiteiro, vendedor de detergentes e ator. Em 1991 regressou a Inglaterra, onde foi um dos fundadores da revista The Big Issue. Desde então trabalhou como jornalista para a secção europeia da CNN, para a Rádio 4 e a GLR (London Live), e para os jornais The Daily Telegraph, The Daily Express, The Evening Standard e The Sunday Herald. Em 1997 foi nomeado o colunista inglês do ano pela Associação dos Editores de Publicações Periódicas.
Os últimos anos da sua vida, passou-o em escavações no Vale dos Reis, onde desempenhou a função de cronista oficial do Projeto de Túmulos Reais Amarna.