Publicado em

Castro Soromenho

Castro SoromenhoCastro Soromenho (Chinde, Moçambique, 1910 – São Paulo, Brasil, 1968), jornalista, escritor e etnólogo. Em Angola, foi agente da Companhia de Diamantes, funcionário do quadro da administração colonial e, mais tarde, redactor do Diário de Luanda. Deixa Angola em 1937, para fixar residência em Lisboa.
Colaborou na revista Seara Nova e nos jornais O Diabo e O Primeiro de Janeiro, O Século, A Noite, Jornal da Tarde e Diário Popular. Fez parte da redacção do jornal literário brasileiro D. Casmurro. Abandonou o jornalismo para se dedicar exclusivamente à literatura de ficção e à investigação histórica e etnológica.
A sua atitude intelectual perante a ditadura, que governava Portugal e colónias, salientava-se por uma crítica frontal, escalpelizadora, tanto a nível social como a nível cultural, com particular incidência sobre a realidade colectiva dos povos africanos, questionando os tabus do etnocentrismo cultural europeu e, sobretudo, os do colonialismo português. O funesto regime de então veio a ordenar a apreensão de obras suas pela polícia política e força-o ao exílio, primeiro em França (Paris), depois nos Estados Unidos e por fim no Brasil. A sua obra ganhou projecção além-fronteiras, sendo traduzida e publicada em França, Alemanha, URSS, Grécia, Argélia, Hungria, Checoslováquia, Itália e editada no Brasil. No exílio leccionou na Universidade de Wisconsin, nos Estados Unidos, e, depois, na Faculdade de Filosofia Ciências e Letras de São Paulo, Brasil.